Psicologia Clínica e Psicoterapia

Áreas de Intervenção

  • Depressão. Tristeza.
  • Ansiedade. Stress. Cansaço.
  • Ansiedade Social. Fobias. Ataques de Pânico.
  • Dificuldades Relacionais.
  • Problemas Emocionais.
  • Situações de Mudança. Luto. Perda. Trauma.
  • Baixa Auto-Estima.

A Psicologia Clínica é a área da psicologia que tem como objectivo primordial promover a mudança. Para tal, a intervenção clínica procura apoiar o indivíduo (criança, jovem ou adulto) na criação e desenvolvimento de estratégias e competências que permitam alcançar o bem-estar psicológico, tendo sempre em consideração as capacidades e necessidades características de cada etapa do desenvolvimento.

Quando a intervenção clínica é dirigida à criança ou ao adolescente, o Psicólogo Clínico encarrega-se também de ajudar pais, professores e educadores a encontrar alternativas para a resolução de problemas emocionais e de comportamento, estimulando a construção de relações de confiança entre pais, professores e alunos no sentido de trabalharem em conjunto para a promoção da saúde mental e do desenvolvimento psicológico saudável.

A intervenção clínica actua na resolução de problemas relacionados com questões específicas, podendo assumir a forma de aconselhamento parental, cujo objectivo primordial é encontrar metodologias e estratégias facilitadoras da tarefa educativa. Uma intervenção que englobe e adeqúe as práticas parentais é fundamental para alcançar mudanças duradouras.

No caso dos adultos, ao longo do processo, o psicólogo apoia o paciente na exploração das suas emoções e sentimentos bem como das suas crenças e pensamentos. É através desta exploração que o paciente vai estruturando o seu pensamento, compreendendo as suas acções, abordando as suas preocupações e estabelecendo objectivos de mudança.

Deste modo, a psicoterapia é muito útil para a aprendizagem de competências essenciais a diferentes áreas da vida, como é o caso das competências comunicacionais; das competências parentais; das competências de resolução de conflitos e tomada de decisão; de competências promotoras da mudança de hábitos pouco saudáveis ou até competências de gestão de stress e de tempo. A aquisição e desenvolvimento de estratégias específicas em todas estas áreas podem ajudar a que o indivíduo se sinta mais capaz de viver uma vida mais satisfatória e que atinja mais facilmente sentimentos de bem-estar.